Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MAE

Avaliação das Organizações Escolares (2 º Sem 2018/2019)

Código: 01681
Acrónimo: 01681
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 18.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 19.0 h/sem 131.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2018/2019
Pré-requisitos Não se aplica.
Objectivos Esta unidade curricular tem os seguintes objectivos:
1. Problematizar as especificidades das escolas como organizações.
2. Problematizar os modelos organizacionais prevalecentes nas escolas.
3. Discutir a heterogeneidade dos contextos escolares e das várias componentes que os estruturam.
4. Problematizar o papel desempenhado pelos vários atores sociais (líderes das escolas, professores, funcionários, alunos) na avaliação das organizações escolares.
5. Debater e refletir sobre a avaliação como processo social.
6. Refletir sobre a análise das organizações escolares no quadro da avaliação externa e da auto-avaliação.
Programa 1. As escolas como organizações.
2. Avaliação das organizações escolares: modelos organizacionais, dimensões de análise e atores sociais.
3. A avaliação das escolas como processo social.
4. Avaliação externa e auto-avaliação.
Processo de avaliação Avaliação contínua com: exposição de uma reflexão a partir de um texto; comentário crítico de uma exposição de um colega ou grupo de colegas; exercício de avaliação de uma organização escolar e desenvolvimento de uma proposta de intervenção. Os alunos que não tenham a possibilidade de assistir às aulas realizarão, na data do exame final, um teste escrito em substituição da apresentação do texto e do comentário crítico e entregarão à docente o exercício de avaliação.
Processo de ensino-aprendizagem Esta unidade curricular terá como metodologias de ensino:
- exposição e debate de conteúdos de cariz empírico,, metodológico e teórico-conceptual;
- partilha e debate de experiências profissionais de avaliação de escolas como organizações;
- partilha e debate a partir das experiências profissionais dos alunos;
- reflexão acerca da avaliação das escolas como um processo social;
- treino de competências de análise e avaliação das organizações escolares.
Observações Contactos da docente
- Gabinete: 317, Ala Autónoma
- Email: luisa.veloso@iscte.pt

Atendimento alunos:
Qualquer dia da semana, sujeito a marcação prévia.
Bibliografia básica Alaíz, V, Góis, E.&Gonçalves, C(2003).Auto-avaliação de escolas. Porto:Edições ASA.Azevedo, J, org(2002).Avaliação das escolas. Porto:ASA.Barroso, J(2005).Políticas educativas e organização escolar. Lisboa: Universidade Aberta.Lima, L(1992).A escola como organização e a participação na organização escolar. Braga:IE/UM.McBeath, J(2010).School self-evaluation models, tools and examples of practice. National College for School Leadership.Mintzberg, H(1995).Estrutura e dinâmica das organizações. Lisboa:Dom Quixote.Nóvoa, A(1995).As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote.Pacheco, JA, org(2014).Avaliação externa de escolas: quadro teórico/conceptual. Porto:Porto Editora.Veloso, L, org(2013).Escolas e avaliação externa: um enfoque nas estruturas organizacionais. Lisboa: Mundos Sociais.Verger, A& Curran, M(2014).New public management as a global education policy: its adoption and re-contextualization in a Southern European setting. Critical Studies in Education, 55,3:253-71.
Bibliografia complementar Abrantes, P. & Sebastião, J. (2010). Portões que se abrem e que se fecham. Processos de inclusão e de segregação nas escolas públicas portuguesas", in Dornelas, A, Oliveira, L., Veloso, L & Guerreiro, M. D. (orgs.), Portugal Invisível, Lisboa, Editora Mundos Sociais, pp. 75-93.
Bourdieu, P. (1978). Classement, déclassement, reclassement. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 24, 1, 2-22.
Capucha, L., et al. (1996). Metodologias de avaliação: o estado da arte em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, 22: 9-27.
Coelho, I., Sarrico, C. & Rosa, Maria J. (2008). Avaliação de escolas em Portugal: que futuro? Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 7(2): 56-67.
Conselho Nacional de Educação (2010). Parecer sobre Avaliação Externa das Escolas (2007 - 2009). Lisboa: Conselho Nacional de Educação (CNE).
Ferreira, I. & Teixeira, Ana R. (2010). Territórios Educativos de Intervenção Prioritária. Sociologia: Revista do Departamento de Sociologia da FLUP, Vol. XX: 331-350.
Lima, Licínio C. (2011). Administração Escolar: Estudos. Porto: Porto Editora.
Marques, R. & Ferraz, D., orgs. (2015). Governação integrada e administração pública. Lisboa: INA Editora.
Maroy, C.; Voisin, A. (2013). As transformações recentes das políticas de accountability na educação: desafios e incidências das ferramentas de ação pública. Educação e Sociedade, 34(124). http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302013000300012
Torres, L. L. (2011). A construção da autonomia num contexto de dependências: limitações e possibilidades nos processos de (in)decisão na escola pública. Educação, Sociedade & Culturas, 32(1): 91-109.
Torres, L. L. (1997). Cultura organizacional escolar. Representações dos professores numa escola portuguesa. Oeiras: Celta.
Torres, L. L. (2011). Liderança singular na escola democrática: ameaças e contradições. Elo, 18(1): 27-36.
Veloso, L., Abrantes, P. e Craveiro, D. (2011). A avaliação externa das escolas como processo social. Educação, Sociedade e Cultura, 33: 69-88.
Veloso, L., Craveiro, D. & Rufino, I. (2012a). Regulação e procedimentos na escola pública: entre o centralismo formal e a apropriação informal. Sociologia, Problemas e Práticas, 66: 127-146.
Veloso, L., Abrantes, P. & Craveiro, D. (2012b). The Portuguese schools' evaluation programme: a sociological approach to the participation of social actors. Evaluation. The International Journal of Theory, Research and Practice, 19(2): 110-125.
de São Paulo, 38(4): 815-832.
Veloso, L. & Abrantes, P. (orgs.) (2013). Sucesso escolar: da compreensão do fenómeno às estratégias para o alcançar. Lisboa: Mundos  Sociais.
Verger, A. (2014). Why do policy-makers adopt global education policies? Toward a research framework on the varying role of ideas in education reform. Current Issues in Comparative Education 16(2), 14-29.

Algumas revistas portuguesas - Educação e Administração Escolar

Revista Portuguesa de Educação
http://revistas.rcaap.pt/rpe/index
Revista Educação, Sociedades e Culturas
http://www.fpce.up.pt/ciie/?q=publication/editions/292
Sisyphus - Journal of Education
Instituto de Educação Universidade de Lisboa
https://revistas.rcaap.pt/sisyphus
Revista Lusófona de Educação
http://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao
Revista de Administração e Emprego Público
https://www.dgaep.gov.pt/index.cfm?OBJID=28988751-1A7F-48DA-8C94-8665E3A51473

Algumas revistas - Estudos Organizacionais
Organization Studies
http://journals.sagepub.com/home/ossa

Organization
http://journals.sagepub.com/home/org

Nova Gestão Pública - algumas referências

Verger, A. (2014). Why do policy-makers adopt global education policies? Toward a research framework on the varying role of ideas in education reform. Current Issues in Comparative Education 16(2): 14-29.
Verger, A. and M. Curran. (2014). New public management as a global education policy: its adoption and re-contextualization in a Southern European setting." Critical Studies in Education, 55(3): 253-271.
Bandur, A. (2012). School-based management developments: challenges and impacts. Journal of  Educational Administration, 50(6): 845-873.
Bromley, P. (2015). Policy and Administration as Culture: Organizational Sociology and cross-National Education Trends. In K. Mundy, A. Green, B. Lingard and A. Verger. Global Education Policy Handbook. London: Wiley-Blackwell.
De Grauwe, A. (2005). Improving the quality of education through school-based management: learning from international experiences. International review of education, 51(4): 269-287.
Court, M., O'Neill, J. (2011). 'Tomorrow's schools' in New Zealand: From social democracy to market managerialism. Journal of Educational Administration and History, 43(2): 119-140.
Maroy, C.; Voisin, A. (2013) As transformações recentes das políticas de accountability na educação: desafios e incidências das ferramentas de ação pública. Educucação e Sociedade,  34(124): 881-901.
Mattei, P. (2012) Market accountability in schools: Policy reforms in England, Germany, France and Italy. Oxford Review of Education, 38(3): 247-266.
Møller, J., and G. Skedsmo. (2013) Modernising education: New Public Management reform in the Norwegian education system. Journal of Educational Administration and History, 45(4): 336-353.
Resnik, J. (2011). The construction of a managerial education discourse and the involvement of philanthropic entrepreneurs: The case of Israel. Critical Studies in Education, 52 (3): 251-266.

Sítios de interesse
Conselho Nacional de Educação
http://www.cnedu.pt/pt/

Inspeção Geral da Educação e Ciência
http://www.ige.min-edu.pt/