Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MEA , MEInt

Organizações Internacionais, Ongs e Movimentos Sociais (1 º Sem 2019/2020)

Código: 02120
Acrónimo: 02120
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Inglês, Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 20.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 21.0 h/sem 129.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2016/2017
Pré-requisitos Não se aplica
Objectivos Este curso explora a forma como as políticas de desenvolvimento são moldadas, abordando as relações de poder entre os diferentes actores: governos nacionais, ONGs locais e internacionais, agências das Nações Unidas. Nesta unidade curricular são exploradas as relações entre políticas de desenvolvimento e as agenda política subjacentes, bem como as desigualdades sociais globais. A unidade curricular conta com convidados das organizações envolvidas em projectos de desenvolvimento.
Programa P1. Do conceito às políticas de desenvolvimento
P2. Organizações internacionais e desenho de programas de desenvolvimento
P3. O papel das organizações internacionais: estudos de caso
P3.1. Intervenções em saúde em Africa: principais actores
P3.2. De Alma Ata aos programas verticais
P3.3. As ONG como novos actores do desenvolvimento
P3.4. Programas de integração: o caso do SWAP Moçambique.
P4. Movimentos sociais e intervenção pública

Processo de avaliação Participação nos seminários: 25%
Apresentação em seminário, com apresentação de outline e ficha de leitura (2 páginas): 25%
Ensaio final (7/9 páginas): 50%
Avaliação por exame
Os alunos podem optar, em alternativa à avaliação periódica, pela avaliação por exame
Faltas
As faltas, até ao máximo de 3 sessões duplas, implicam a apresentação de uma ficha de leitura sobre os textos discutidos nessa aula.

Proposta de trabalho:
baseado na análise de um relatório

Processo de ensino-aprendizagem As metodologias de ensino-aprendizagem visam o desenvolvimento das principais competências de aprendizagem dos alunos que permitam cumprir com cada um dos objectivos de aprendizagem. Dividem-se em:
M1-Expositivas, para apresentação dos quadros teóricos de referência
M2-Participativas, com análise e discussão de casos.
M3- Auto-estudo, relacionado com o trabalho autónomo do aluno
Observações Não se aplica
Bibliografia básica Craig D, Porter D. 2003. Poverty Reduction Strategy Papers: a new convergence. World Dev. 31(1):53-69
Escobar, Arturo, 1995, Encountering Development:  The Making and Unmaking of the Third World,  Princeton:  Princeton University Press.
Herz, Monica & Andrea R. Hoffman, 2004, Organizações Internacionais. História e Práticas, Rio de Janeiro, Elsevier
Pfeiffer J, Johnson W, Fort M, Shakow A, Hagopian A, et al. 2008. Strengthening health systems in poor countries: a code of conduct for nongovernmental organizations. Am. J. Pub. Health 98(12):2134-40
Pita, J. I. eds. 2006. Nuevos instrumentos de la cooperación española: la experiencia mozambiqueña. Madrid: Fundación Carolina CeALCI.
Rincón Becerra, M. , Rodríguez Colmenares, I. 2010. "Barrio Adentro y Alma Ata", Revista de Ciencias Sociales (RCS) Vol. XVI, No. 3, Julio - Septiembre 2010, pp. 515 - 525
Stiglitz J. 2002. Globalization and its Discontents. New York: W.W. Norton
Bibliografia complementar Beyer, J. A. d., A. S. Preker, et al. (2000). "The role of the World Bank in international health: renewed commitment and partnership." Social Science and Medicine 50(2): 169-76
Escobar, Arturo, 1991, "Anthropology and the Development Encounter:  the Making and Marketing of Development Anthropology" in American Ethnologist,  18,  4,  658-682.
Fassin, Didier, 2007, When bodies remember : experiences and politics of aids in South Africa, Berkeley, University of California Press
Farmer, Paul (1999) Infections and Inequalities. The Modern Plagues, Berkeley, University of California Press. (preface, chap. 1 and 10)
Ferguson, James, 1999, Expectations of Modernity. Myths and Meanings of Urban Life in Zambian Cooperbelt, Berkeley, University of California Press
Pfeiffer, J., 2003, "International NGOs and primary health care in Mozambique: The need for a new model of collaboration". Social Science & Medicine, 56(4), 725-738
Porter, D. (1999). Health, civilization, and the state : a history of public health from ancient to modern times. London; New York, Routledge (parte 3)
Turshen M. 1999. Privatizing Health Services in Africa. New Brunswick, NJ: Rutgers
Turshen M. 2007. Women Health Movements. A Global Force for Change. New York: Pallgrave MacMillan.