Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  CIESPP

Movimentos Sociais na Era Digital (1 º Sem 2019/2020)

Código: 02894
Acrónimo: 02894
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Inglês
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 20.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 21.0 h/sem 129.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2019/2020
Pré-requisitos Não se aplica
Objectivos O papel das novas tenologias digitais foi muito importante nas mais recentes vagas de protesto, desde a primavera árabe até ao movimento occupy. Por outro lado, estas mesmas novas tecnologias representam também um recurso fundamental para a própria análise dos movimentos sociais. A UC propõe-se de enfrentar a questão dos movimentos sociais na era digital deste dúplice ponto de vista. Assim, por um lado, pretende-se fornecer aos alunos um conhecimento aprofundado das novas formas de protesto (os assim chamados novos-novos movimentos sociais, ou mega networks). Por outro lado, os alunos irão adquirir familiaridade com as principais teorias e metodologias de análise elaboradas no âmbito dos social movements studies, sobretudo relacionadas com os novos meios de comunicação. Por fim, os alunos serão convidado a realizar um trabalho empírico com aplicação dos instrumentos de pesquisa apreendidos.
Programa O curso será desenvolvido em volta dos seguintes Conteúdos Programáticos (CP):

Módulo I ? Análise de movimentos sociais
CP1. Introdução ao conceito de movimento social
CP2. Análise dos movimentos sociais: do papel da sociologia aos contributos de outras ciências sociais.
CP3. Perspetivas sobre movimentos sociais.
CP4. Metodologias de pesquisa sobre movimentos sociais.

Módulo II ? Movimentos na era digital
CP5. A internet como ferramenta dos movimentos sociais: Efeitos de ampliação e disseminação; Construção de convergências; Palco de conflito.
CP6. A internet como causa: Infraestrutura e literacia digital; Do acesso à partilha; Liberdade de expressão; Produção autónoma.

Módulo III ? case studies
CP7. Velhos repertórios na era digital: a greve feminista e a greve climática.
CP8. Efervescência coletiva mediada por computador: dos coletes amarelos a Hong-Kong.
CP9. As redes sociais como arena de conflito: memes políticos e denúncias em massa.
Processo de avaliação Avaliação contínua: Assiduidade e participação (20%). Ensaio individual sobre tema à escolha, previamente discutido com a docente (80%).
Os estudantes que não optem pela avaliação contínua ou que nela não tenham aproveitamento, podem recorrer ao exame final (100%).
Processo de ensino-aprendizagem A UC desenvolve-se através de aulas teórico-metodológicas, apresentação e discussão de estudos de caso , exercícios práticos de demonstração e aplicação dos instrumentos de análise adquiridos. Preve-se a realização de sessões de discussão de grupo em assuntos ligados com os movimentos sociais na era digital ou com o uso das TIC no estudo dos movimentos.
Observações A bibliografia inclui obras basilares sobre a teoria dos movimentos sociais, assim como estudos empíricos realizados sobre as mobilizações na era digital.
Bibliografia básica Bimber B., Flanagin A. J., Stohl C. (2012). Collective Action in Organizations: Interaction and Engagement in an Era of Technological Change. New York: Cambridge University Press.
Castells, M. (2012), Networks of outrage and hope., Malden: Cambridge University Press.
Earl J, Kimport K. (2011). Digitally Enabled Social Change: Activism in the Internet Age. Cambridge: MIT Press.
Fominaya, Cristina Flesher & Gillan, Kevin (2017) Navigating the technology-media-movements complex, Social Movement Studies, 16:4, 383-402.
Lewis, K., Gray, K. Meierhenrich, J. (2014), ?The Structure of Online Activism?, Sociological Science 1: 1-9.
Melgaço, L. (Ed.), Monaghan, J. (Ed.). (2018). Protests in the Information Age. London: Routledge,
Monshipouri, M. (Ed.). (2016). Information Politics, Protests, and Human Rights in the Digital Age. Cambridge: Cambridge University Press
Bibliografia complementar Accornero, G. and Ramos Pinto P. (2015), ?Mild Mannered?? Protest and Mobilisation in Portugal in Times of Crisis?, West European Politics 38(3): 491-515.
Beissinger, M. ?Conventional' and 'Virtual' Civil Societies in Autocratic Regimes?, paper presented at the 20th International Conference of Europeanists, Amsterdam, The Netherlands, June 25-27, 2013.
Della Porta, D. (2014), Methodological Practices in Social Movement Research, Oxford: Oxford University Press.
Flesher Fominaya, C. (2014), ?Debunking Spontaneity: Spain's 15-M/Indignados as Autonomous Movement?, Social Movement Studies: Journal of Social, Cultural and Political Protest 14(2): 142-163.
Foot, K. A., Schneider, S. M. (2006), Web campaigning. Cambridge, MA: MIT
Della Porta D., Diani M. (1999), Social movements: an introduction, Blackwell, Oxford.
Howard P. N., Parks M. R. (2012), ?Social Media and Political Change: Capacity, Constraint, and Consequence?, Journal of Communication 62 (2): 359?62
Latour, B. (2005), Reassembling the Social: An Introduction to. Actor-Network-Theory. New York: Oxford University. Press.
McAdam, D., Tarrow, S.G. and Tilly, C. (2001), Dynamics of Contention, New York, NY: Cambridge University Press.
Melucci, A. (1996), Challenging Codes: Collective Action in the Information Age. New York: Cambridge University Press.
Mosca, L. (2010), ?From the Streets to the Net? The Political Use of the Internet by Social Movements?, International Journal of E-Politics 1(1): 1-21
Mosca, L., Calenda, D. (2009), Researching online participation, special issue of Information, Communication & Society 12(6).
Tarrow S. (2011). Power in Movement: Social Movements and Contentious Politics. New York: Cambridge University Press
Tilly, C., Tarrow, S. (2006), Contentious Politics, Boulder: Paradigm.
Tremayne, M. (2013), ?Anatomy of Protest in the Digital Era: A Network Analysis of Twitter and Occupy Wall Street?, Social Movement Studies: Journal of Social, Cultural and Political Protest 13(1): 110-126.
Trottier, D, Fuchs, C. (2014), Social media, politics and the state. Protests, revolutions, riots, crime and policing in the age of Facebook, Twitter and YouTube. New York: Routledge.
Van de Donk, W. et al. (2006), Cyberprotest: New Media, Citizens and Social Movements, London: Routledge.
Wolfsfeld, G., Segev, E., Sheafer, T.  ?Social Media and the Arab Spring. Politics Comes First?, The International Journal of Press/Politics 18(2): 115-137