Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  LA

Etnografia Portuguesa (1 º Sem 2018/2019)

Código: L5078
Acrónimo: L5078
Nível: 1º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 36.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 37.0 h/sem 113.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2013/2014
Pré-requisitos sem pré-requisitos
Objectivos A cadeira de Etnografia Portuguesa pretende apresentar uma visão historicamente perspectivada da emergência da Antropologia em Portugal e dos seus sucessivos ciclos criativos, destacando o trabalho fundador dos mestres positivistas (Adolfo Coelho, Consiglieri Pedroso, Leite de Vasconcelos) e, também, as linhas de continuidade entre o trabalho pioneiro de Rocha Peixoto e os etnógrafos do CEEP reunidos em torno de Jorge Dias, avançando depois até ao recente período democrático.
Programa P1 - Cultura popular, identidade nacional e percepção das diversidades.

P2 - Os pioneiros, as tradições, o folclore.

P3 - De Rocha Peixoto a Jorge Dias (ergologia, ecologia, comunitarismo agro-pastoril).

P4 - O período democrático; dois olhares sobre o Noroeste peninsular: Pina Cabral e Sally Cole.
Processo de avaliação a) 20% - apresentação de comunicação em seminário e qualidade geral das intervenções e participação nas aulas práticas.

b) 30% - relatório de aprendizagem (máximo 1500 palavras).

c) 50% - ensaio (máximo 5000 palavras).

d) Estudantes com défice de tempo trabalho lectivo (7 ou mais faltas), incumprimento ou trabalhos escritos insuficientes, deverão fazer exame.
Processo de ensino-aprendizagem O tempo total de trabalho efectivo nesta unidade curricular é de 150 horas. O sistema de avaliação pressupõe a leitura regular e atempada da bibliografia da unidade curricular, a participação assídua nas aulas e debates (sublinhe-se que o tempo de trabalho lectivo é ponderado para efeitos de avaliação), bem como a apresentação oral e escrita da reflexão de cada um sobre os conteúdos assimilados no decurso do seu processo de aprendizagem.
Observações
Bibliografia básica ADOLFO COELHO, 1993 - Obra Etnográfica (1873-1918), 2 vols. - org. e Prefácio de João Leal, Publicações Dom Quixote, Lisboa.

BRITO Joaquim Pais de, 1982 - "O Atlas Etnológico e a carta das fogueiras anuais", in F. Oliveira Baptista, Maria Luisa Braga, Joaquim Pais de Brito e Benjamim Pereira (Coord.), in Estudos em Homenagem a Ernesto Veiga de Oliveira, Centro de Estudos de Etnologia/INIC, Lisboa.

DIAS Jorge, 1981 - Vilarinho da Furna, uma aldeia comunitária (1948), I.N.C.M. (nota preliminar e prefácio de Orlando Ribeiro).

LEAL João, 2000 - Etnografias Portuguesas, Publicações Dom Quixote, Lisboa.

VEIGA DE OLIVEIRA Ernesto, 1984 - Festividades Cíclicas em Portugal, Publicações Dom Quixote, Lisboa.
Bibliografia complementar ADOLFO COELHO, 1993 - Obra Etnográfica (1873-1918), 2 vols. - org. e Prefácio de João Leal, Publicações Dom Quixote, Lisboa.

AFONSO Joana e LOBO ANTUNES Maria José, 2000 - Empresários, Artistas e Empregados: Estrutura e Recomposição Social no Circo, Etnográfica, vol.IV, nº1, págs 89-107.

BASTOS Cristiana, 2001 - Omulu em Lisboa: Etnografias para uma Teoria da Globalização?, Etnográfica, vol. V, nº2, págs. 303-323.

BASTOS Susana Pereira, 1997 - O Estado Novo e os seus Vadios, Contribuição para o Estudo das Identidades Marginais e da sua Repressão, Publicações Dom Quixote, Lisboa.

COLE Sally, 1994 - Mulheres da Praia - o Trabalho e a Vida numa Comunidade Costeira Portuguesa (1991), Publicações Dom Quixote, Lisboa.

CORDEIRO Graça Índias, 2001 - Trabalho e Profissões no Imaginário de uma Cidade: sobre os ?tipos populares? de Lisboa?, Etnográfica, vol V, nº1, págs. 7-24.

DIAS Jorge 1981a - Rio de Onor: comunitarismo agro-pastoril (1953), Presença, Lisboa.
______ 1990/1993 - Estudos de Antropologia (2 vols.), I.N.C.M.

FRADIQUE Teresa, 2003 - Fixar o movimento: representações da música rap em Portugal, Publicações Dom Quixote, Lisboa.

GRANJO Paulo, 1998 - A Antropologia e a Abordagem da Indústria e do Risco: Legitimidade e Experiência de Terreno, Etnográfica, vol. II, nº1, págs. 73-89.

LEAL João, 2006 - Antropologia em Portugal, Mestres, Percursos Transições, Livros Horizonte, Lisboa.

LEITE DE VASCONCELLOS José, 1986 - Tradições Populares de Portugal (1882), I.N.C.M., Lisboa.
______ 1933/88 - Etnografia Portuguesa.  Tentame de sistematização (10 vols), I.N.C.M., Lisboa.
______ 1996 - Signum Salomonis. A Figa. A Barba em Portugal. Estudos de Etnografia Comparativa, Lisboa, Publicações Dom Quixote.

MADUREIRA Nuno Luís, 2003 - A Estatística do Corpo: Antropologia Física e Antropometria na Alvorada do Século XX?, Etnográfica, vol. VII, nº2, págs. 283-303.

MATTOSO José, 1991 - Identificação de um País - ensaio sobre as origens de Portugal (2 vols.), editorial Estampa, Lisboa.

ROCHA PEIXOTO António Augusto da, 1990 - Etnografia Portuguesa (Obra Etnográfica Completa), Publicações Dom Quixote, Lisboa.

PINA-CABRAL João de, 1989 - Filhos de Adão, Filhas de Eva - a visão do mundo camponesa no Alto Minho (1986), Publicações Dom Quixote. Lisboa.
______ 1991 - Os Contextos da Antropologia, Difel, Lisboa.

RAMOS Rui, 1994 - "A Invenção de Portugal", in José Mattoso (dir.) História de Portugal, vol. VI, A Segunda Fundação (1890-1926), Círculo de Leitores, Lisboa.