Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  LP

Psicologia da Educação (2 º Sem 2017/2018)

Código: L5238
Acrónimo: L5238
Nível: 1º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 12.0 h/sem 18.0 h/sem 9.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 40.0 h/sem 110.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2016/2017
Pré-requisitos Nenhum
Objectivos - Compreender a contribuição de múltiplas áreas da Psicologia para o estudo dos processos educativos.
- Compreender as implicações das teorias do desenvolvimento humano para o ensino e a aprendizagem.
- Desenvolver competências científicas, teóricas e aplicadas, no domínio da Psicologia da Educação.
- Compreender as funções do psicólogo educacional.
Programa CP 1 - Psicologia da educação: história, enquadramento teórico e definição.
CP 2 - Modelos organizativos da escola e da sala de aula e aprendizagem e desempenho académico.
CP 3 - Fatores psicossociais do processo educativo e aprendizagem e desempenho académico.
CP 4 - Intervenção precoce na infância e educação especial.
CP 5 - Papel do psicólogo educacional.
Processo de avaliação Avaliação contínua ou avaliação final.
Avaliação contínua: 50% trabalho de grupo (35% relatório escrito [max. 5000 palavras]; 15% apresentação), 50% teste individual.
SÃO ADMITIDAS APENAS 2 FALTAS NAS PL. Ficam aprovados os estudantes com nota igual ou superior a 9,5 valores na média do trabalho de grupo e do teste. Nota mínima de 8 valores em cada componente da avaliação contínua.
Avaliação final: Exame (100%) na 1ª e/ou 2ª época.
Processo de ensino-aprendizagem T- 12.0h\sem: Apresentação dos conceitos e das perspetivas teóricas de forma expositiva em grande grupo.
TP - 18.0h\sem: Demonstrações empíricas e discussão dos seus resultados à luz dos modelos apresentados nas aulas teóricas.
PL - 9.0h\sem: Acompanhamento e discussão de trabalhos de grupo.
Trabalho Autónomo - 110.0h\semestre.
Note-se que estas horas são estimativas médias do número de horas de trabalho.
Observações
Bibliografia básica Alexander, P. A., & Winne, P. H. (2006). Handbook of educational psychology (2nd Ed.). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates.

Berliner, D. C. (1993). The 100-year journey of educational psychology: From interest, to disdain, to respect for practice. In T. Fagan & G. Vanden Bos (Eds.), Exploring applied psychology: Origins and critical analysis (pp. 37-78). Washington, DC: American Psychological Association.

Bronfenbrenner, U., & Morris, P. A. (1998). The ecology of developmental processes. In W. Damon & R. M. Lerner (Eds.), Handbook of child psychology, Vol. 1: Theoretical models of human development (5th ed., pp. 993-1028). New York: Wiley.

Reynolds, W. M., & Miller, G. E. (Eds.). (2003). Handbook of psychology: Volume 7: Educational psychology (I. B. Weiner, Series Ed). New York: John Wiley & Sons. [PS.140 Han,8 v.7]

Sprinthall, N. A., & Sprinthall, R. C. (1993). Psicologia Educacional. Lisboa: McGraw-Hill. [PS.124 SPR*Psi]
Bibliografia complementar Bairrão, J. (1992). A perspectiva ecológica em psicologia da educação. Cadernos de Consulta Psicológica, 8, 57-68.

Bairrão, J. (1995). A perspectiva ecológica em psicologia da educação. Psicologia, X(3), 7-30.

Bandura, A. (1977). Self-efficacy: Toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, 84 (2), 191-215.

Booth, A., & Dunn, J. F. (Eds.). (1996). Family-school links: How do they affect educational outcomes. Mahwah, New Jersey: Lawrence Erlbaum.

Brophy, J. (1999). Toward a model of the value aspects of motivation in education: Developing appreciation for particular learning domains and activities. Educational Psychologist, 34(2), 75-85.

Cameron, R. J. (2006). Educational psychology: The distinctive contribution. Educational Psychology in Practice, 22(4), 289-304.

Coimbra, L. L. (1991). O psicólogo face aos outros profissionais da educação: Reflexões sobre a consultoria psicológica. Cadernos de Consulta Psicológica, 7, 21-26.

Fan, X., & Chen, M. (2001). Parental involvement and students? academic achievement: A meta-analysis. Educational Psychology Review, 13(1), 1-22.

Graesser, A. C. (2009). Inaugural editorial for Journal of Educational Psychology. Journal of Educational Psychology, 101(2), 259-261.

Neves, L., & Carvalho, R. (2002). O psicólogo em contexto escolar. Vila Nova de Gaia: Centro de Formação Gaia Nascente. [PS.124 PSI]

Osbourne, J. W., & Mollette, M. J. (2010). Grand challenges in educational psychology. Frontiers in Psychology, 1, 1-2.

Peixoto, F., & Almeida, L. S. (2010). Self-concept, self-esteem, and academic achievement: Strategies for maintaining self-esteem in students experiencing academic failure. European Journal of Psychology of Education, 25, 157-175.

Pfeifer, J. H., Spears Brown, C., Juvonen, J. (2007). Prejudice reduction in schools: Teaching tolerance in schools: Lessons learned since Brown v. Board of Education about the development and reduction of children?s prejudice. Social Policy Report: Giving Children and Youth Development Knowledge Away, XXI(2), 3-13.

Pinto, A. I., & Leal, T. (1991). Reflexões sobre o papel do psicólogo educacional. Psicologia, VIII(1), 25-31.

Slavin, R. E. (1995). Cooperative learning: Theory, research, and practice. Boston: Allyn & Bacon. [PS.124 SLA*Coo]

UNESCO. (1994). Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas Especiais. http://redeinclusao.web.ua.pt/files/fl_9.pdf

Vygotsky, L. S. (1997). Educational Psychology. Boca Raton, FL: CRC Press. (Obra original publicada em 1926) [PS.124 VYG*Edu]

Walberg, H. J., & Haertel, G., D. (1992). Educational psychology's first century. Journal of Educational Psychology, 8(1), 6-19.

Walker, I., & Crogan, M. (1998). Academic performance, prejudice, and the jigsaw classroom: New pieces to the puzzle. Journal of Community & Applied Social Psychology, 8, 381-393.

Wigfield, A., & Karpathian, M. (1991). Who am I and what can I do? Children's self concept and motivation in achievement situations. Educational Psychologist, 26, 233-261.

Legislação:

Ministério da Educação. Decreto-Lei n.º 190/91 de 17 de Maio. Diário da República, I Série-A, 2665-2668.

Ministério da Educação. Decreto-Lei n.º 300/97 de 31 de Outubro. Diário da República, I Série-A, 5986-5990.

Ministério da Educação. Decreto n.º 3/2008 de 7 de Janeiro. Diário da República, I Série, 154-164.

Decreto-Lei n.º 281/2009 de 6 de Outubro. Diário da República, I Série, 7298-7301.


Outras obras poderão ser sugeridas no decurso do semestre.