Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MC

Concentração de Empresas e Consolidação de Contas (2 º Sem 2018/2019)

Código: M2709
Acrónimo: M2709
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Não
Língua(s) de Ensino: Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 30.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 31.0 h/sem 119.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2018/2019
Pré-requisitos Não existem
Objectivos Pretende-se que os alunos, no final desta Unidade Curricular, desenvolvam competências que lhe permitam compreender os conceitos relacionados com as concentrações de negócios e consolidação e que sejam capazes de aplicar adequadamente esses conceitos.
Programa 1. Demonstrações Financeiras Consolidadas (DFC)
1. Entidade representada pelas DFC
3. Procedimentos de consolidação na data de aquisição
4. Procedimentos de consolidação em data posterior à data de aquisição
5. Interesses em empreendimentos conjuntos e investimentos em associadas
Processo de avaliação Duas modalidades de avaliação:
1. Avaliação periódica:
- Trabalho de grupo (20%).
- Teste individual (80%).
Requisitos:
- Assiduidade mínima de 2/3 das aulas lecionadas.
- Nota mínima de 8 (7,5) valores no teste individual.
Aprovação na UC com uma média mínima de 10 valores, depois de ponderados todos os instrumentos de avaliação.

2. Avaliação por exame:
- Um exame final (100%).
Aprovação com classificação mínima de 10 valores.

Processo de ensino-aprendizagem Ao longo do período letivo, o aluno deverá adquirir e/ou desenvolver competências de análise e síntese, de pesquisa e de crítica, em conformidade com os objetivos definidos.
Para a aquisição destas competências serão utilizados as seguintes metodologias de ensino-aprendizagem:
1. Expositivas, para apresentação dos quadros teóricos de referência.
2. Participativas, para resolução e análise de exercícios e casos.
3. Ativas, com a realização e apresentação de trabalhos de grupo.
Observações
Bibliografia básica Normas do IASB (2016), nomeadamente:
IAS 27: Demonstrações Financeiras Separadas
IAS 28: Investimentos em Associadas
IFRS 3: Concentrações de Atividades Empresariais
IFRS 10: Demonstrações Financeiras Consolidadas
IFRS 11: Empreendimentos Conjuntos
IFRS 12: Divulgação de Interesses noutras Entidades

Sistema de Normalização Contabilística (2018)

Normas do SNC
NCRF 13: Interesses em ECC e Investimentos em Associadas
NCRF 14: Concentrações de Atividades Empresariais
NCRF 15: Investimentos em Subsidiárias e Consolidação
Disponíveis em: www.cnc.min-financas.pt/snc2016.html

Outros
Diapositivos elaborados pelos docentes.
Casos práticos elaborados pelo docente.
Bibliografia complementar Livros
Gallimberti, C., Marra, A. and Prencipe, A., 2013, Preparing and Understanding Consolidated Financial Statements under IFRS; McGraw Hill.

Artigos
Baxter, G. and Spinney, J. (1975). A Closer Look at Consolidated Financial Statement Theory, CA Magazine, January, 31-36.
Beckman, J. (1995). The Economic Unit Approach to Consolidated Financial Statements: Support from the Financial Economics Literature, Journal of Accounting Literature, 14, pp. 1-23.
Bugeja, M. and Gallery, N., (2006). Is Older Goodwill Value Relevant, Accounting and Finance, 46, pp. 519-535.
Clinch, G. (2008). Capital Markets Research and the Goodwill Debate, Australian Accounting Review, 9, pp. 22-30.
Cominskey, E. And Mulford, C. (2008). Negative Goodwill: issues of financial reporting and analysis under current and proposed guidelines, Journal of Applied Research in Accounting and Finance, 3, pp. 33-42.
Giner, B. And Pardo, F. (2015), How Ethical are Managers' Goodwill Impairment Decisions in Spanish-Listed Firms?, Journal of Business Ethics, 132 (1), pp. 21-40.
Graham, R., King, R. and Morril, C. (2003). Decision Usefulness of Alternative Joint Venture Reporting Methods, Accounting Horizons, 17, pp. 123-137.
Henning, S, Lewis, B. And Shaw, W. (2000). Valuation of the Components of Purchased Goodwill, Journal of Accounting Research, 38, pp. 375-386.
HSU, A, Pourjalali, H.. (2015).The Impact of IAS No. 27 on the Market's Ability to Anticipate Future Earnings, Contemporary Accounting Research, 32(2), pp. 789-813.
HSU, A, Jung, B., Pourjalali, H. (2015). Does International Accounting Standard No. 27 Improve Investment Efficiency?, Journal of Accounting, Auditing and Finance, 30(4), pp. 484-508.
Johansson, S., Hielstrom, T. and Hellman, N. (2016). Accounting for goodwill under IFRS: A critical analysis, Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 27, pp. 13-25.
Kimbro, M. And Xu, D. (2016). The Accounting Treatment of Goodwill, Idiosyncratic Risk, and Market Pricing. Journal os Accounting, Auditing & Finance, 31 (3), pp. 365-387.
Lopes, A., Lourenço, I. and Soliman, M. (2013), Do alternative ways of reporting non-controlling interests really matter?, Australian Journal of Management, pp. 7-30.
Lourenço, I., Fernandes, S. and Curto, J. (2012), How Does the Market View Interests in Jointly Controlled Entities, Spanish Review of Finance and Accounting, 153, pp. 119-142.
Lourenço, I. and Curto, J., (2010). Determinants of the Accounting Choice between Alternative Reporting Methods for Interests in Jointly Controlled Entities, European Accounting Review, 19, pp. 739-773.
Maroun, M. and Zijl, W. (2016). Isomorphism and resistance in implementing IFRS 10 and IFRS 12, British Accounting Review, 48 (2016), 220-239.
McKee, T., Bradley, L. and Rouse, R. (2006). Accounting for Special Purpose Entities: the Control View versus the Primary Beneficiary View for Consolidation, Journal of Applied Accounting Research, 8, pp. 162-207.
Nobes, C. (2002). An Analysis of the International Development of the Equity Method, Abacus, 38, pp. 16-45.
O'Hanlon, J. and Taylor, P., (2007). The Value Relevance of Disclosures of Liabilities of Equity-accounted Investees: UK evidence, Accounting and Business Research, 37, pp. 267-284.
Stoltzfus, R. and Epps, R., (2005). An Empirical Study of the Value-relevance of Using Proportionate Consolidation Accounting for Investments in Joint Ventures, Accounting Forum, 29, pp. 169-190.
Soonawalla, K. (2005). Accounting for Joint Ventures and Associates in Canada, U.K., and US: Do US Rules Hide Information?, Journal of Business Finance and Accounting, 3-4, pp. 395-417.
Wines, G., Dagwell, R. and Windsor, C. (2007). Implications of the IFRS Goodwill Accounting Treatment, Managerial Auditing Journal, 22, pp. 862-880.