Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MGRHCO

Gestão Estratégica e Internacional de Recursos Humanos (1 º Sem 2019/2020)

Código: 03350
Acrónimo: 03350
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Sim
Língua(s) de Ensino: Inglês, Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 30.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 31.0 h/sem 119.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2019/2020
Pré-requisitos N/A
Objectivos Descrever as práticas e sistemas de GRH e avaliar as diferenças culturais de gestão de RH.
Programa CP1. Compreender a Gestão de RH no Contexto da Organização e Factores Envolventes
CP2. Alinhamento entre as Estratégias de RH e os Resultados da Empresa
CP3. GRH e capacidades organizacionais: clima de serviço, coordenação relacional
CP4. GRH e capacidades dinâmicas: ambidextria, mindfulness organizacional
CP5. O Impacto da Cultura Organizacional e do Território
CP6. Comunicação Geral e Específica com Colaboradores Internacionais
CP7. Gerir Expatriação e Diversidade nas Formas de Trabalho Internacional
CP8. Globalização da GRH organizacional
Processo de avaliação A avaliação periódica implica: um teste (60%); um trabalho de grupo (40%).
Os alunos que não realizem alguma destas componentes da avaliação, que obtenham nota inferior a 7,5 na componente individual ou que tenha uma taxa de presença nas aulas inferior a 80% deverão submeter-se a avaliação final (exame que conta 100% da nota final).
Processo de ensino-aprendizagem Esta abordagem procura promover o trabalho autónomo e a capacidade de análise e crítica, bem como a combinação entre o conhecimento científico e aplicado.
Observações Os alunos abrangidos pelo "Regulamento Interno para Estudantes com Estatutos Especiais" deverão contactar o docente da UC, ou o Coordenador da mesma, na 1ª semana de aulas de cada semestre, com vista ao enquadramento dos processos de aprendizagem e avaliação na UC.
Referências bibliográficas adicionais podem ser sugeridas pelo docente.
Bibliografia básica Brewster, C., et al. (2016). International human resource management. Kogan Page Publishers.
Gittell, J. (2011). New direction for relational coordination theory. In Cameron & Spreitzer (Eds), The Oxford handbook of positive organizational scholarship. Oxford University Press.
O?Reilly, C. A., & Tushman, M. L. (2004). The ambidextrous organization. Harvard Business Review, 82(4), 74-83.
Schneider, B. et al. (2006). The climate of service: A review of the construct with implications for achieving CLV goals. Journal of Relationship Marketing, 5, 2/3, 1111-132.
Morrison, T. and Conaway, W. (2006). Kiss, bow or shake hands. Adams Media.
Nakata, C. (2009). Beyond Hofstede. Palgrave Macmillan.
Weick, K. and Sutcliffe, K. (2015). Managing the unexpected: Sustained performance in a complex world. New Jersey: John Wiley & Sons.
Bibliografia complementar Birkinshaw, J. and Gibson, C. (2004). Building ambidexterity into an organization. Sloan Management Review, Summer, 47-55.
Brewster et al. (2011). International Human Resource Management. (3rd edition), CIPD, Wimbledon.
Brewster et al. (2014). Exploring expatriate outcomes. International Journal of Human Resource Management, 25, 1921-1937.
Brewster, C., Mayrhofer, W. & Farndale, E. (2016). A Handbook of Comparative Human Resource Management (2nd edition). Cheltenham: Edward Elgar.
Buller, P. F. & McEvoy, G. (2012). Strategy, human resource management and performance: Sharpening line of sight. Human Resource Management Review, 22, 43-56.
Ferreira, A., Matinez, L., Nunes F. G. e Duarte, H. (Eds) (2015). GRH para Gestores. Lisboa, RH Editora. Capítulo 3.
Festing, M., & Eidems, J. (2011). A process perspective on transnational HRM systems -- A dynamic capability-based analysis. Human Resource Management Review, 21(3), 162-173. doi:10.1016/j.hrmr.2011.02.002.
Hall, E. (1990). Beyond culture. Random House.
Hong et al. (2013). Missing Link in the service profit chain. Journal of Applied Psychology, 98, 2, 237-267.
Jiang et. al. (2012). How does human resource management influence organizational outcomes? Academy of Management Journal, 55, 6, 1264-1294.
Lengnick-Hall et al. (2011). Developing a capacity for organizational resilience through strategic HRM Human Resource Management Review, 21, 243-255.
O?Reilly III and Tushman, M. (2008). Ambidexterity as a dynamic capability: Resolving the innovator?s dilemma. Research in Organizational Behavior, 28, 185-206.
O?Reilly III and Tushman, M. (2013). Organizational ambidexterity: Past, present, and future. Academy of Management Perspectives, 27, 324?338.
Pfeffer, J. (2005) Producing sustainable competitive advantage through the effective management of people. Academy of Management Executive, 19, 4, 95-106.
Thusman, M. et al. (2011). The ambidextrous CEO. Harvard Business Review, June, 75-80.
Vaiman, V. and Brewster, C (2015) How far do cultural differences explain the differences between nations? Implications for HRM International Journal of Human Resource Management 26 (2): 151-164
Wood, G., Brewster, C. & Brookes, M. (2014). Varieties of HRM: A Comparative Study of the Relationship between Context and Firm. Routledge: London.