Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MC , ME , MF , MG , MGRH , MGST , MGI , MM

Gestão do Capital Humano (2 º Sem 2014/2015)

Código: M8527
Acrónimo: M8527
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Sim
Língua(s) de Ensino: Inglês
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 30.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 31.0 h/sem 119.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2013/2014
Pré-requisitos Não existem
Objectivos 1. Entender a complexidade dos mercados atuais e a emergência da gestão do capital humano;
2. Compreender a aprendizagem organizacional enquanto fator de competitividade das empresas;
3. Explicar a importância da gestão do conhecimento nas organizações;
4. Identificar a importância estratégica do capital intelectual e a sua ligação ao processo de criação de valor;
5. Explorar o alinhamento entre a estratégia corporativa e a estratégia de Recursos Humanos;
6. Identificar os modelos mais conhecidos do capital humano;
7. Aplicar o Balanced Scorecard;
8. Aplicar o Balanced Scorecard do capital conhecimento.
Programa CP1. A complexidade dos mercados atuais e  a gestão do capital humano;
CP2. A aprendizagem organizacional enquanto fator de competitividade das empresas;
CP3. A gestão do conhecimento nas organizações;
CP4. O capital intelectual e a criação de valor organizacional;
CP5. O Balanced Scorecard e a gestão do capital humano;
CP6. Modelos mais conhecidos do capital intelectual;
CP7. O BSC do capital intelectual.
Processo de avaliação Ao longo do período lectivo, serão utilizados, os seguintes instrumentos de avaliação:
- Assiduidade/participação nas aulas e trabalhos de grupo (40%);
- 1 Teste individual (60%);
Esta avaliação pressupõe que o aluno assegura uma assiduidade (e pontualidade) igual ou superior a 80%.
A avaliação final será através de exame e respeitará o Regulamento Específico de Avaliação de Conhecimentos da IBS. Esta avaliação final terá um peso de 100% na avaliação final da unidade lectiva.
Processo de ensino-aprendizagem Para estimular a aquisição das competências, esta UC usa abordagens pedagógicas diferenciadas, pois inclui a análise e discussão de um artigo/caso previamente preparado, com discussão generalizada na aula; análise de um caso, também preparado autonomamente pelos estudantes.
Esta abordagem destina-se a promover o trabalho autónomo e a capacidade de análise e de crítica por parte dos estudantes, bem assim como a combinação entre o conhecimento científico e o aplicado.
Observações Os alunos abrangidos pelo "Regulamento Interno para Estudantes com Estatutos Especiais" deverão contactar o docente da UC, ou o Coordenador da mesma, na primeira semana de aulas de cada semestre, com vista ao enquadramento dos processos de aprendizagem e avaliação na UC.
Bibliografia básica - Becker, B. Huselid, M. & Ulrich, D. (2001). The HR Scorecard: Linking People, Strategy and Performance.  Boston: Harvard Business School Press.
- Bontis, N. (2001). Assessing knowledge assets: A review of the models used to measure intellectual capital. International Journal of Management Reviews, 3(1), 41-60.
- Bontis, Nick, Dragonetti, N., Jacobsen, K. and Roos, G. (1999) The Knowledge Toolbox: A review of the tools available to measure and manage intangible resources, European Management Journal, 17(4), 391-402.
- Cascio, W., & Boudreau, J. (2011). Investing in People: the financial impact of human resource initiatives (2nd ed.). New Jersey: FT Press.
- Kaplan, R. & Norton, D. (2004). Strategy Maps: Converting Intangible Assets into Tangible Outcomes. Boston: Harvard Business School Press.
Saratoga (2005). Key trends in human capital: A global perspective. PriceWaterhouse Coopers, London.
Bibliografia complementar - Abhayawansa, S. (2014). A review of guidelines and frameworks on external reporting of intellectual capital. Journal of Intellectual Capital, 15(1), 100 - 141.
- Andriessen, D. (2004), IC valuation and measurement: Classifying the state of the art, Journal of Intellectual Capital, 5(2), 230-42.
- Becker, G. (2002). The age of human capital. In E. P. Lazear (Ed.), Education in the twenty-first century: 3-8. Palo Alto, CA: Hoover Institution Press.
- Beesley, L.A. &  Cooper, C. (2008). Defining knowledge management (KM) activities: Towards consensus. Journal of Knowledge Management, 12(3), 48-62.
- Bornkley, I. (2006). Defining the Knowledge Economy, The Work Foundation, London.
- Cabrita, M.R., Cruz-Machado, V. & Grilo, A. (2010). Intellectual Capital: How Knowledge Creates Value, in E. O'Brien, S. Clifford & M. Southern (Eds). Knowledge Management for Process, Organizational and Marketing Innovation: Tools and Methods. Enterprise Research Centre at the University of Limerick, Ireland.
- Chobanyan, A. &  Emblemsvag, J. (2005). Drucker on Government, Politics, Economics and Society. Foresight, 7(5), 42-55.
- Crook, T., Todd, S., Combs, J., Woehr, D., & Ketchen, D. (2011). Does human capital matter? A meta-analysis of the relationship between human capital and firm performance. Journal of Applied Psychology, 96(3), 443-456.
- Heisig, P. (2009). Harmonisation of knowledge management: Comparing 160 knowledge management frameworks around the globe. Journal of Knowledge Management, 13(4), 4-31.
- Houghton, J. & Sheehan, P. (2000). A Primer on the Knowledge Economy. Centre of Strategic Economic Studies.
- Kaplan, R. & Norton, D. (1992). The balanced scorecard--measures that drive performance, Harvard Business Review, 71-79.
- Kaplan, R. & Norton, D. (1996). The Balanced Scorecard, Boston: Harvard Business School Press.
- Kaplan, R. & Norton, D. (2000). Having trouble with your strategy? Then map it, Harvard Business Review, 167-176.
- Kaplan, R., & Norton, D. (2004). Measuring the strategic readiness of intangible assets. Harvard Business Review, 82(2), 52-63.
- Kaplan, R., & Norton, D. (2004). The strategy map: Guide to aligning intangible assets. Strategy & Leadership, 32(5), 10-17.
- Khandekar, A. & Sharma, A. (2005). Organizational Learning in Indian Organizations: a Strategic HRM Perspective, Journal of Small Business and Enterprise Development, 12(2),211-226.
- Maynard, R.G. (2010). Developing Personal Complexicapacity. On the Horizon, 18(1), 86-94.
- Mercer Human Resource Consulting (2004). Human capital and business performance: Measuring the links. New York, Mercer Human Resource Consulting
- OECD (1996). The Knowledge-Based Economy. Paris
- Unger, J.  Rauch, A., Frese, M., & Rosenbusch, N. (2011). Human capital and entrepreneurial success: A meta-analytical review. Journal of Business Venturing, 26(3), 341-358.
- Vandenbosch, B. and Saatcioglu, A. (2006). How managers generate ideas and why it matters. Journal of Business Strategy, 27(6), 11-17.
- Viedma, J.M. & Cabrita, M.R. (2012). Entrepreneurial Excellence in the Knowledge Economy: Intellectual Capital Benchmarking System (ICBS). UK: Palgrave Macmillan. Including software. ISBN 978-1-137-02406-0.
- Watson Wyatt Worldwide (2002). Human capital index. Watson Wyatt Worldwide, Washington, DC.


Other papers to support study and development of specific topics  for group and individual works.