Aviso: Se está a ler esta mensagem, provavelmente, o browser que utiliza não é compatível com os "standards" recomendados pela W3C. Sugerimos vivamente que actualize o seu browser para ter uma melhor experiência de utilização deste "website". Mais informações em webstandards.org.

Warning: If you are reading this message, probably, your browser is not compliant with the standards recommended by the W3C. We suggest that you upgrade your browser to enjoy a better user experience of this website. More informations on webstandards.org.

Sub Menu
ISCTE-IUL  >  Ensino  >  MPCPCJR , MPCPM

Avaliação e Intervenção em Famílias de Risco (2 º Sem 2018/2019)

Código: M8625
Acrónimo: M8625
Nível: 2º Ciclo
Estruturante: Sim
Língua(s) de Ensino: Português
Língua(s) amigável(is):
Ser English-friendly ou qualquer outra língua-friendly, significa que a UC é leccionada numa língua mas que se pode verificar qualquer uma das seguintes condições:
1. Existem materiais de apoio em língua inglesa/outra língua;
2. Existem exercícios, testes e exames em língua inglesa/outra língua;
3. Existe a possibilidade de se apresentar trabalhos escritos ou orais em língua inglesa/outra língua.
1 6.0 0.0 h/sem 24.0 h/sem 12.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 0.0 h/sem 1.0 h/sem 37.0 h/sem 113.0 h/sem 0.0 h/sem 150.0 h/sem
Em vigor desde o ano letivo 2018/2019
Pré-requisitos Nenhum.
Objectivos Promover o conhecimento, aptidões e competências sobre as abordagens teóricas e metodológicas de avaliação e intervenção junto de famílias em risco.
Programa CP1. A família como sistema - enquadramento histórico e teórico
- Teoria Geral dos Sistemas
- Os movimentos de primeira e segunda cibernética
CP2. Comunicação Humana
- Axiomas da comunicação humana
- Comunicação patológica
CP3. O ciclo vital da família, etapa e transições normativas e não-normativas
CP4. A diversidade familiar: análise às diversas tipologias familiares
CP5. A avaliação sistémica
- Focos e estratégias de avaliação
- Observação
- Entrevista
- Genograma, mapas estruturais e relacionais, e mapa da rede social
CP6. Perspetivas teóricas e modelos de intervenção com famílias e na parentalidade
CP7. Programas de intervenção baseados na evidência com famílias em risco
CP8. Desafios à intervenção e questões ético-deontológicas
Processo de avaliação Regime de avaliação: periódica ou por exame.
Avaliação periódica: um trabalho em pequeno grupo (relatório e apresentação oral), que implicará a construção e administração de uma entrevista a uma família e respetiva análise (45%); e um teste (55%). A presença na aula é obrigatória (pelo menos, 2/3 das aulas). A aprovação na UC implica nota igual ou superior a 9.5 valores em cada componente.
Avaliação por exame: prova individual escrita (100%).
Processo de ensino-aprendizagem Aulas teórico-práticas e laboratoriais baseadas nos métodos de ensino-aprendizagem seguintes: metodologias expositivas (e.g., apresentação de quadros teóricos de referência), participativas (e.g., de exercícios em grupo, discussão de casos e análise de material relevante, como artigos e entrevistas) e ativas (trabalhos individuais e de grupo). Os alunos são responsáveis por temáticas referentes às leituras realizadas individualmente, através de autoestudo. Está prevista orientação tutorial
Observações 1) Os alunos que iniciem o processo de avaliação periódica deverão manter-se no mesmo até ao final, ou seja, até à 1.ª época de avaliação;
2) Está prevista orientação tutorial (presencial/ISCTE) para esclarecimento de dúvidas e dar feedback dos trabalhos de grupo;
3) Horário de atendimento: a definir com cada docente (presencial/ISCTE ou por mail);
4) Na plataforma Fénix serão disponibilizados os materiais pedagógicos utilizados nas aulas.
Bibliografia básica Arranz, E. & Oliva, A. (2010) (Eds). Desarrollo psicológico en las nuevas estructuras familiares. Madrid, Espanha: Ediciones Pirámide.
Boyd-Franklin, N. & Bry, B.H. (2001). Reaching Out in Family Therapy: Home-Based, School, and Community Interventions. New York: The Guilford Press.
Carr, A. (2012). Family Therapy - Concepts, Process and Practice. San-Francisco: John Wiley and Sons
Landy, S., Menna, R. (2006). Early Intervention With Multi-risk Families: An Integrative Approach. Baltimore, MD: Brookes Publishing Company.
Relvas, A. (1996). O Ciclo Vital da Família - Perspectiva Sistémica. Biblioteca das Ciências do Homem. Porto: Edições Afrontamento.
Walsh, F. (Ed.) (2003). Normal Family Processes: Growing Diversity and Complexity. New York: The Guilford Press.
Ponzetti J. J. (2016). Evidence-based parenting education: A global perspective. N.Y.: Routledge.
Bibliografia complementar Alarcão, M. (2002). (Des) equilíbrios familiares : uma visão sistémica (2ª edição). Lisboa: Quarteto.
Azar, S. T. (1998). Parenting and child maltreatment. In I. E. Sigel & K. A. Renninger (Volume 4, Eds.), Child Psychology in Practice (pp. 361-388). Handbook of Child Psychology. (5th edition) (W. Damon, Ed.). New York: John Wiley & Sons.
Boyd-Franklin, N. & Bry, B. H. (2001). Reaching Out in Family Therapy: Home-Based, School, and Community Interventions. New York: The Guilford Press.
Camilo, C., & Garrido, M. V. (2013). Desenho e avaliação de programas de desenvolvimento de competências parentais para pais negligentes: Uma revisão e reflexão. Análise Psicológica, 3 (XXXI), 245-268
Cassidy, J & Shaver, P. (2010). Handbook of Attachment: Theory, research and clinical applications. NY: Guilford.
Christophersen, E.R., & Mortweet, S.L. (2002). Parenting That Works: Building Skills That Last a Lifetime. Washington, DC: American Psychological Association.
Cruz, O. (2005). Parentalidade. Coimbra: Quarteto.
Demo, D.H., Allen, K. R., Fine, M. A. (2000). Handbook of family diversity. New York: Oxford Press.
Elliott, M. (1996). 501 Ways to be a Good Parent. UK: Hodder & Stoughton.
Koller, S. H. (Org.) (2004). Ecologia do desenvolvimento humano: Pesquisa e intervenção no Brasil. 2. ed. São Paulo: Casa do Psicólogo Livraria e Editora.
Jones, E. (1999). Terapia dos Sistemas Familiares. Colecção Sistemas, Famílias e Terapias. Lisboa: Climepsi Editores.
Liddle, H.A., Santisteban, D.A., Levant, R.F., & Bray, J.H. (Eds.) (2001). Family Psychology: Science-Based Interventions. Washington, DC: American Psychological Association.
Nichols, W.C., Pace-Nichols, M.A., Becvar, D.S., & Napier, A.Y. (2000). Handbook of Family Development and Intervention. New Jersey: Wiley & Sons.
Ranquet, M. (1996). Los Modelos en Trabajo Social - Intervención con Personas y Familias. Espanha: Siglo Veintiuno Editores.
Relvas, A. P. & Alarcão. M. (2002) (Coord.) Novas formas de família. Lisboa: Quarteto.
Sandres, M.R. (2008). Triple P-Positive Parenting Program as a Public Health Approach to Strengthening Parenting. Journal of Family Psychology, Vol. 22 (3), 506-517.
Soares, H. & Ferreira, B. (2011). Rede de Intervenção na Família (RIF). Uma experiência de prevenção de maus-tratos e negligência infantil (MNI) através da promoção de competências parentais em contexto comunitário. In C. Sampaio Cruz & M. Leote de Carvalho (Eds.), Crianças e Jovens em Risco. A família no centro da Intervenção. Cascais: Princípia - Publicações Universitárias e Científicas.
Sroufe, L. A., Egeland, B. E., Carlson, E. A., & Collins, W. A. (2005). The development of the person. The Minnesota study of risck and adaptation from birth to adulthood. The Guilford Press, London.
Walsch, F. (2006). Strengthening Family Resilience (2nd edition). New York: Guilford.
Webster-Stratton, C. (2010). Os Anos Incríveis - guia de resolução de problemas para pais de crianças dos 2 aos 8 anos de idade. Braga: Psiquilíbrios Edições.
Juffer, F., Bakermans-Kranenburg, M.J., & Van IJzendoorn, M.H. (2008). Promoting positive parenting: An attachment-based intervention. New York: Lawrence Erlbaum / Taylor & Francis.